terça-feira, 24 de março de 2009

Cravo de defunto X dengue



O nome não é muito agradável, seu aroma peculiar desagrada a muita gente, mas o seu potencial de cura já é conhecido a muito tempo. Recebi um e-mail que me inquietou, fui pesquisar e encontrei a seguinte matéria que publico aqui na íntegra, certa de com isto estar prestando um serviço, já que o remédio é gratuito pois você encontra em qualquer jardim da vizinhança.

Prezado Rabat!

Todos os dias acesso o seu site para ficar informada. Por isso, estou dando a minha contribuição.

Acabei de receber essa informação de uma amiga e estou passando adiante.

Obrigada,

Odair Carvalho

---

Lenda? Chá de cravo de defunto no combate à dengue. Durante a epidemia de dengue que assolou o Brasil no verão 2001/2002, enquanto circulava a mensagem acerca do uso da borra de café no combate ao Aedes aegypti circulou um artigo intitulado Cravos Amarelos x Dengue de autoria do médico carioca RADJALMA CABRAL DE LIMA. Nesse artigo, o doutor Radjalma Cabral de Lima, que trabalha na Secretaria de Saúde do Acre desde 1999, relata a sua bem sucedida experiência no uso do chá do cravo de defunto no tratamento da dengue. Segundo ele, O chá das flores ou folhas do cravo de defunto é usado na medicina popular contra angina, tosse, como antiespasmódico, anti-reumático e contra cólicas uterinas. (mas um amigo metafísico disse que o chá de toda a planta ao mesmo tempo, -raízes, caules, folhas e flores, -é mais eficaz, e, utilizei na familia, tomando uma chicara de chá quente de meia em meia hora e curou rapidinho a dengue em 12 horas)... Quando ele trabalhava num hospital da Cooperativa Pindorama, bem próximo da cidade de Penedo, estado de Alagoas, ele encontrou uma epidemia de dengue. E o que fez ele?

A todos os pacientes que apresentavam dor muscular ou articular generalizada, com febre, independentemente do diagnóstico, orientei à enfermagem "perplexa" que ministrasse goles do chá ainda morno, ao mesmo tempo em que solicitei que a cozinheira continuasse preparando mais chá, conforme a necessidade. Todos ficaram ainda mais perplexos quando, após as duas primeiras horas de atendimento, as pessoas já não apresentavam queixas. E o resultado foi que, depois de algum tempo ... não havia mais uma epidemia de dengue e sim uma epidemia de cravos nos jardins. Situação semelhante aconteceu no ano em que trabalhei no PSF em Caruaru, Pernambuco. O cravo de defunto, Tagetes erecta Linn., é uma planta originária do México e suas propriedades terapêuticas são reconhecidas desde o tempo dos astecas. Nos países de língua inglesa, ela é denominada marigold e african marigold. No México, na América Central e na América do Sul (exceto o Brasil) é conhecida como cempasuchil (do nahuatl, língua falada pelos astecas, cempohualxochitl), amarillo e flor de muerto. Na agricultura, recomenda-se o seu uso como cultura intercalada no combate aos fitonematóides, microrganismos que danificam as raízes das plantas. Devido ao forte odor das flores, é usado como repelente natural de pulgões, ácaros e de algumas lagartas. Também é usado na produção de corantes, de óleos essenciais e como suplemento alimentar das aves. São muitas as ervas e raízes de reconhecido valor no tratamento de doenças. O próprio cravo de defunto vem sendo estudado, nos EUA, devido à possibilidade de se obter, a partir dele, a luteína.

O artigo Lutein for Healthy Eyes apresenta o uso da luteína obtida a partir do cravo de defunto na prevenção de algumas doenças. O fato é que todos sairíamos ganhando se, aqui no Brasil, houvesse incentivos para que pesquisas fossem realizadas no sentido de conhecer melhor os efeitos das ervas usadas na chamada medicina popular. Se confirmadas as propriedades anunciadas, tanto melhor, pois trata-se, quase sempre, de medicamentos baratos e, portanto, acessíveis à grande maioria da população.

Além disso, seria uma forma de assegurar que os direitos de patente de fabricação fiquem de posse de empresas e instituições brasileiras. De qualquer forma, não se automedique, especialmente se você estiver com suspeita de dengue. Antes de tomar o chá de cravo de defunto, ou qualquer outra medicação, consulte o seu médico até para saber se o que você tem é mesmo dengue.

Lembre-se, também, que tomar remédio por conta própria pode mascarar os sintomas da doença e dificultar o correto diagnóstico.


Conferir em:

Chá Cravo de defunto contra dengue.

4 comentários:

Nosalai disse...

Adoro Cravo de defunto! Amiga lá no meu sítio interior do Ceará. Eu tinha de duas cores, o amareleo e o coral. O cheiro era muito forte sim, mas, os tinha porque acho lindos. A cura para todos os males está na natureza com certeza! Adorei a postagem. Beijos

maria rosa disse...

Preciosas estas florecillas, aquí las llamamos claveles chinos.
Muy ineresante el artículo,
un abrazo,

alcione@sempre.com disse...

Achei o seu artigo muito bom,pois elucida as vantagens e desvantagens
desta planta
Peço a autorização par transcrevelo no meu Blogzinho...
uma parte desses esclarecimentos
colocando a autoria sem dúvida
Muito bom mesmo
Parabens pelo empenho
Desde j´´a agradecida
Alcione

leticiascherer disse...

oi. eu e minhas amigas estamos fazendo um projeto para a feira da escola sobre repelentes, ja usamos a antiga receita dos pescadores com cravo da india e oleo de nene, e estamos fazendo um teste com essas flores...o q mais vc sabe a respeito delas contra a dengue, alem desse cha?
obrigada.
abraço

Related Posts with Thumbnails